segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Igreja


Implicações teológicas da “pedra fundamental” da Igreja de Jesus.


Em Matheus 16 está o texto que gera ainda nos dias de hoje a controvérsia religiosa e teológica sobre a semente da Igreja de Cristo;

15 Mas vós, perguntou-lhes Jesus, quem dizeis que eu sou?
16 Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
17 Disse-lhe Jesus: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue
que to revelou, mas meu Pai, que está nos céus.
18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e
as portas do inferno não prevalecerão contra ela;
O escritor de Matheus parece apenas descrever sem ao menos ter o entendimento daquilo que escreve, pois não se preocupa em explicar com mais detalhes as palavras de Jesus.
Sabemos que Jesus, por vezes, devido ao seu jeito peculiar  e sempre falando como um mestre rabino, isto é, com palavras sempre enigmáticas, não explica mesmo pormenorizadamente o que fala abertamente. E nesta passagem podemos sentir um momento pragmaticamente essencial à criação de sua igreja.
Disto gerou eterna controvérsia em que as religiões, devido a enigmática das palavras, aceitam como própria suas interpretações causando assim uma divisão religiosa.
Para algumas Pedro recebe ali uma responsabilidade de ser o eleito “primeiro sacerdote” da igreja de Cristo quando Cristo o chama de Petrus, que significa pedrinha e a seguir Cristo diz que “sobre esta “petra” que já significa “grande pedra” edificarei minha igreja. Para outros a verdadeira “petra” seria a frase dita por Pedro “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”   que O identifica como a “pedra de esquina” rejeitada pelos edificadores. Ainda há uma ramificação teológica que diz que nem uma nem outra é a pedra fundamental, mas sim o próprio Cristo, que é na verdade o revolucionário  desejado das nações e revelador do “Pai”, Deus verdadeiro criador de todas as coisas.
Dito isso escolhemos uma destas interpretações e a aceitamos como verdade absoluta e seguimos nossa jornada.
Mas, vivemos em tempos de pós-modernidade e liberdade de buscarmos conhecimento e também a facilidade de encontrarmos informações é patente. Mesmo assim podemos ainda, mesmo que isso hoje em dia seja difícil, buscarmos em oração e busca espiritual, entender o que Jesus estava falando e assim podemos também tirarmos nossas conclusões “teológicas”.
Aquele momento peculiar de Jesus com seus discípulos, para mim parece ser mais abrangente que tudo isso que temos de interpretação. Passa-me a impressão que Cristo não estava identificando partes da fala, mas sim o momento especial.
Jesus , no meu entendimento identifica Pedro como aquelas pessoas simples que irão pertencer a sua igreja, pessoas que tem altos e baixos de temperamento, mas que podem num repente falar coisas vindas da boca do próprio Deus e também corrobora as palavras que O identificam como o Cristo o tão esperado libertador. Isso sim me parece mais plausível de aceitar como uma identificação com a igreja daquele que diz: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração”.
As seguintes palavras de Cristo identificam a “igreja que tem parâmetros eternos” como aquela que não seria vencida pela morte, já que “as portas do hades”  é uma frase típica daquele tempo para se falar sobre a morte.
Tempos pós-modernos ou revelação, não sei, mas não me sinto herege e nem sinto ter ferido as outras controvertidas interpretações.
A Deus toda glória

JCPuglisi













terça-feira, 29 de novembro de 2011

DIREITO ZERO DO CONSUMIDOR

Muito nervoso estou... Comprei um fogão, paguei a vista, levei pra casa, a esposa disse que estava com defeitinho. Tentou usar, tentou um dia, dois dias... as panelas escorregando... ufa uma loucura.
Voltei na loja, o gerente perguntou: Faz dois dias que o senhor comprou? O senhor já usou? Eu disse que usei "o bastante para entender que estava com  defeito".
Ele me disse. Se o senhor já usou, não posso aceitá-lo de volta, nem trocá-lo por outro, mesmo que compre um mais caro e pague a diferença.
Ele disse que poderia mandar uma autorizada para verificar e concertar.
Nervoso eu disse que iria no PROCON  procurar os meus direitos.
Corri no PROCON.
Sabe o que o PROCON me disse?
É isso mesmo, o gerente está certo. Você não pode mais devolver, nem trocar. Tem que ficar com o fogão com defeito e pedir pra virem concertar.
Direitos? Que direitos tenho eu?
Meu Pai... nem sei o que dizer...

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O crime contra o cristianismo



Há uma expectação forte e assustadora no ar. Um acontecimento
transformado em tragédia, envolvendo escola, família e igreja.
Quem assistiu as entrevistas dos pais daquele menino que atirou
na professora e depois se suicidou estão deveras boquiabertos e
intrigados com o fato.
Muitos estão buscando uma explicação, algo que possa dar
suporte à um ato tão tresloucado e ainda mais feito por um
menino de dez anos.
Segundo os pais o menino participava normalmente da igreja
juntamente com os pais e dava exemplos de que era já nesta
idade um cristão seguindo os princípios ditados pela igreja
através da Bíblia Sagrada. Já orava e era calmo, sereno e
tranquilo.
Na escola tinha um comportamento bom, sem restrições, sem
intrigas, sem brigas, sem "bulling" e ainda tinha boas notas
como qualquer bom menino.
Como se explica então tal comportamento?
Porque cometeu isso?
Poderíamos discutir várias respostas e ainda não encontraríamos
uma que satisfizesse, ou que explicasse todo o ocorrido.
Tenho para mim que os dias atuais estão propiciando isso. Em
todos os setores da vida de um cidadão existem influências que
são recebidas com deturpações e valores invertidos. Isso faz
com que o ser humano fique à mercê de valores malígnos e
destrutivos de si próprio.
Vejo por exemplo, em minhas elucubrações um cristianismo que tem um
elo, ou talvês até, muitos elos perdidos.
O velho testamento está cheio de histórias em que pessoas matam
pessoas e isso não parece ser um pêso. Por exemplo a história
de David, um garoto que mata um gigante. Essa história é
contada por qualquer criança na escola dominical, sem se
preocupar com o agravante de que "uma pessoa está matando a a
outra". Sinto uma falta de cuidado nisto. Isso é apenas um
exemplo de muitos que são contados. Há tempos tenho atentado
para faceta descuidada do cristianismo. É claro que Jesus
Cristo é o que deu a verdadeira revelação do que é "não matar"
que é concluída com apenas uma palavra "amar".
Além disso vejo também uma televisão que dita comportamento.
Quando a TV noticia uma tragédia, isso parece tão sensacional
que muitos com idéias malucas começam a se inflar e ter desejos
de cometer o mesmo.
Este acontecimento talvez possa ser usado para uma reflexão
cuidadosa de nossa doutrina cristã, de nossa postura diante dos
acontecimentos.
Deus possa nos ajudar nisso.
Aleluia.
JCPuglisiS

segunda-feira, 4 de julho de 2011

DEUS NÃO ME LIVRE DE UM BRASIL CRISTÃO

Na Bíblia está escrito "Não ameis o mundo" e muitos dos "ditos" cristão acreditam que até andar de bicicleta é prazer da carne, portanto um pecado.
Certas bizarrices contribuem para um alienamento do mundo e uma vida que muitos assumem pensando que o "Reino de Deus" é exatamente isso. Resultado, o tempo vai passando e essas pessoas não contribuem para a história, antes vivem uma vida refugiada e escoradas em páginas e letras da escritura sagrada.
Eu vejo nas entrelinhas da escritura que não é isso que Deus pede aos seus "súditos", mas uma vida cheia de princípios de amor, bondade, honestidade, o que muitos acreditam não ser possível neste mundo por isso assume os extremos, ou reclusam ou abrem para todo erro.
Apóstolo Paulo cita em suas cartas pensamentos dos sábios da época que não eram cristãos. Jesus disse "eles estão no mundo, mas não são do mundo" ele não disse "Eles precisam sair do mundo e viverem uma vida totalmente fora dos costumes"
Jogar ou assistir futebol ou qualquer esporte, ir ao cinema ou assistir um filme não quer dizer que estamos negligenciando a vida cristã. Se tudo tem seu tempo, tem mesmo.
Deus não dá carta de licença para pecar, mas nem por isso nos pede uma vida reclusa, imposta e dona de uma "verdade absoluta".
Nem todos somos pastores, e nosso púlpito pode bem ser nosso escritório, nossa cozinha, nossa enxada, nosso computador, nossa praça, nossa turma de futebol e por aí em diante. Estamos no mundo, se olharmos para cima a noite ainda está lá a Lua, e veremos as estrelas sem por isso pecar,
Jesus bem disse quem são os felizes:
Primeiro ele não disse: "Felizes os que são cristãos e donos da verdade" mas...
"Muito felizes são os humildes!"
“Felizes são os que choram! Porque serão consolados”.
“Felizes são os mansos e simples! Porque o mundo inteiro pertence a eles”.
“Felizes aqueles que aspiram por ser justos e bons, porque terão a justiça com toda a certeza”.
“Felizes são os que são amáveis e têm misericórdia dos outros, porque a eles se mostrará misericórdia”.
“Felizes os que tem coração puros”.
“Felizes aqueles que procuram promover a paz - pois serão chamados Filhos de Deus”.
“Felizes aqueles que são perseguidos por serem justos, pois o Reino dos Céus é deles”.
Felizes os que entendem que não é apontando o dedo e sim reconhecendo o potencial de pessoas que mesmo não sendo cristãs contribuem para essas "bem-aventuranças".
Este é um cristianismo real sem castrações e aberrações, tanto de um lado como do outro nos extremos.



JCPuglisi

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Deus incompreendido


Antigamente Deus falava por meio dos profetas, mas nos ultimos dias fala através do filho.
Assim se inicia o "Livro aos Hebreus" na Bíblia, numa alusão a Jesus Cristo a pessoa identificada como "o Filho de Deus". A pessoa que tem o aval do próprio criador que, segundo relatos nos evangelhos, "falou" em voz audivel a frase: "Este é o meu filho amado, a ele ouvi".
No antigo testamento bíblico pode-se ter uma idéia nos relatos, que Deus tem seus princípios e o mesmo procurou passar aos seus profetas.
Os profetas ouviram com seus ouvidos, muitas vezes desafinados, as leis e colocaram em prática ao povo. A cultura e os costumes daquele tempo enfim não puderam filtrar a santidade deste criador de todas as coisas e as leis eram misturadas com leis humanas que, muitas vezes, eram de desrespeito ao próximo, acontecendo assim uma mistura divina/humana que não era com certeza o plano de Deus.
Esta pessoa chamada Jesus aparece então trazendo uma essência divina em seus poros. Sua atitude, seu ensinamento e sua doutrina nos dá o parâmetro necessário para compreendermos a pessoa de Deus e sua santidade e amor.
Jesus derrubou leis, mandamentos e orientações com apenas uma palavra que disse para por em prática. Se não seguissem através dessa palavra nada seria possível.
O nosso próximo precisa dela, o nosso inimigo precisa dela, nós mesmos precisamos dela, as pessoas drogadas precisam dela, os idosos precisam dela, os governantes precisam dela.... AMOR
A essência de Deus era tão patente naquele homem que o Criador poderia sim, com certeza se agradar ao ponto de expor publicamente o som de sua voz manifestando seu amor e respeito aquela pessoa.

 
JESUS ESTÁ VIVO

domingo, 12 de junho de 2011

O cristianismo do Cristo



As vezes somos questionados com relação à nossa cristianismidade (existe esta palavra?). E os "não cristãos" são enfáticos nas críticas, citando fatos históricos da Biblia como situações anti-humanas, para não dizer anti-cristãs. Leis sanguinárias supostamente creditadas ao "desejo sanguinário" do Deus dos cristãos.

Os anos de Inquizição são citados como absurdo de cristãos perseguindo e matando pessoas, quando na verdade os critãos verdadeiros é que muitas vezes eram perseguidos por não se pautarem pelo "cristianismo oficial". As cruzadas e outras barbáries feitas "em nome de Deus" também são fatos dignos de críticas ao cristianismo, como se cristianismo fosse um partido político ou um reino a se defender com armas.

É muito triste observar como tudo anda tão deturbado que é incrivelmente difícil discernir "cristãos" de "não cristãos", pois os não cristãos criticam o que nem sabem, e os cristãos defendem tambem o que não sabem.

É lei da guerra onde o absurdo de se degladiarem e se matarem uns aos outros não tem fundamento real.

Vejo na comunidade cristã muitas pessoas ocupando cargos de liderança, mas com conhecimento muito linear, sem profundidade. Não conhecem bem o que é ser cristão, apenas entendem que são evangélicos, abençoados, abençoadores, profetas, bispos, pastores, evangelistas, detentores dos milagres e bênçãos divinas.Chegam ao ponto de predizerem, ou profetizarem derrotas e falência de pessoas (na verdade estão amaldiçoando, claro).

Conhecem cada virgula da Biblia mas não param para entender o que é que quer dizer tudo o que foi escrito.

Se Cristo Jesus não é o verdadeiro criador do cristianismo, quem seria então? Se a doutrina, conhecimento, ensinamento, dele não é o que os cristãos devem seguir, o que é então?

Cristo não ensinou matar, degladiar, criticar, amaldiçoar, esmolar, tomar e outros absurdos que se vêm ao longo da história.

Jesus não disse: "se me seguirem serão prósperos, ricos, donos dos milagres de Deus, senhores de todas as terras, líderes com "licença para matar" donos de rádios, tvs, aviões, carros, terras,..."

Na verdade o que ele predisse é amargo. "se me seguirem serão perseguidos, e muitas vezes até presos... O cálice é difícil de beber aos que irão contra o estatuto proposto ao mundo.

Apenas uma ordem é proposto ao cristão: amar.

O amor verdadeiro não destrói, não tem ciumes, não se vangloreia, não se sente bem ao ver o mal... e por aí vai.



Ah Cristo do cristianismo... Quem poderá seguí-lo!



JCPuglisi